O Entrudo

O Entrudo de Lazarim é considerado o Entrudo mais tradicional de Portugal. A tradição do entrudo sai à rua pela mão dos seus protagonistas, os Caretos, numa encenação carregada de simbolismo. Desde os próprios Caretos, passando pelo sua actuação no cortejo etnográfico, e culminando na leitura dos seus famosos testamentos satíricos, o Entrudo rege-se por uma licenciosidade vinda de tempos em que tudo era vivido em clandestinidade, confrontando a autoridade institucional e religiosa vigente.

Os artesãos, que nas suas oficinas sulcam na madeira de amieiro fisionomias de traças zoomórficas , na expectativa de que a sua máscara seja a mais original, são os responsáveis pela recriação de personagens reinventadas nas personalidades e ânimo dos Caretos.

Os testamentos da “comadre” e do “compadre” são redigidos em absoluto segredo pelos jovens solteiros da vila, que encontram nesta ocasião a oportunidade de, através de quadras incutidas de malícia e ironia, divulgar em praça pública e em ambiente jocoso, o que muitas vezes fica por dizer e que de outra forma nunca seria dito, explorando também as rivalidades entre homens e mulheres.

adap. de Jornal do Entrudo / Coord. Manuel Canal : Entrudo em Lazarim 2008. – Lamego : [Progestur], 2008. – 16 p 34 cm. – O mais tradicional Entrudo de Portugal